O estágio de manutenção para o exercício está associado à uma melhor percepção de diferentes indicadores de saúde na adolescência

Palavras-chave: Atividade motora, Exercício, Estudantes, Percepção de peso, Sono, Estresse psicológico

Resumo

O objetivo deste estudo foi investigar a associação entre diferentes estágios de mudança do comportamento para o exercício e a percepção de indicadores de saúde em estudantes adolescentes. Participaram 662 adolescentes de 14 a 19 anos, distribuídos proporcionalmente nos 12 distritos de Florianópolis/SC. Foram utilizados: questionários de caracterização socioeconômica, condições de saúde e avaliação dos estágios de mudança de comportamento para o exercício. Observou-se que o estágio de manutenção para o exercício esteve associado às percepções de saúde. Rapazes em manutenção, apresentaram maiores chances de avaliarem positivamente sua saúde (OR: 3,65; IC95%: 1,62; 8,25). Entre as moças, o estágio de manutenção para a prática de exercícios foi associado a satisfação com o peso corporal (OR: 1,68; IC95%: 1,01; 2,80) e ao melhor autocontrole do estresse (OR: 1,88; IC95%: 1,03; 3,42). Rapazes e moças no estágio de manutenção para a prática de exercícios apresentaram chances reduzidas de perceberem-se frequentemente doentes (rapazes: OR: 0,32; IC95%: 0,16; 0,63; moças: OR: 0,57; IC95%: 0,33; 0,97). Adolescentes em manutenção para o exercício físico apresentaram melhores percepções de saúde comparados aqueles que não praticaram atividades físicas. A percepção positiva esteve associada ao tempo de exposição ao exercício, pois não foram observadas associações em adolescentes no estágio de ação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Matias, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Departamento de Educação Física, Núcleo de Pesquisa em Atividade Física e Saúde, Laboratório de Psicologia do Esporte e do Exercício.

Alexandro Andrade, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Departamento de Educação Física, Laboratório de Psicologia do Esporte e do Exercício.

Gustavo Maciel, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Centro de Ciências da Saúde e do Esporte.

Fábio Dominski, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Laboratório de Psicologia do Esporte e do Exercício.

Marcus Lopes, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Núcleo de Pesquisa em Atividade Física e Saúde.

Referências

Hills AP, Dengel DR, Lubans DR. Supporting public health priorities: Recommendations for physical education and physical activity promotion in schools. Prog Cardiovasc Dis. 2015;57(4):368–74.

Honkinen PL, Suominen SB, Välimaa RS, Helenius HY, Rautava PT. Factors associated with perceived health among 12-year-old school children.Relevance of physical exercise and sense of coherence. Scand J Public Health. 2005;33(1):35–41.

Vancea LA, Barbosa JMV, Menezes AS, Santos CM, Barros MVG de. Associação entre atividade física e percepção de saúde em adolescentes: Revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2011;16(3):246–54.

Bartel KA, Gradisar M, Williamson P. Protective and risk factors for adolescent sleep: A meta-analytic review. Sleep Med Rev. 2015;21:72–85.

Salmon P. Effects of physical exercise on anxiety, depression, and sensitivity to stress: a unifying theory. Clin Psychol Rev. 2001;21(1):33–61.

Babic MJ, Morgan PJ, Plotniko RC, Lonsdale C, White RL, Lubans DR. Physical activity and physical self-concept in youth: systematic review and meta-analysis. Sports Med Auckl NZ. 2014; 44(11):1589–1601.

Instituto Brasileiro de Geogra a e Estatística. Pesquisa nacional de saúde do escolar, 2015. Rio de Janeiro: IBGE; 2016.[citado 2017jul14]Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/biblioteca-catalogoview=detalhes&id=297870.

Toseeb U, Brage S, Corder K, Dunn VJ, Jones PB, Owens M, St Clair MC, Sluijs EMF, Goodyer IM. Exercise and depressive symptoms in adolescents: a longitudinal cohort study. JAMA Pediatr. 2014;168(12):1093–100.

Pareja-Galeano H, Sanchis-Gomar F, Lucia A. Physical activity and depression: Type of exercise matters [carta]. JAMA Pediatr. 2015;169(3):288-9.

Hutchison AJ, Breckon JD, Johnston LH. Physical activity behavior change interventions based on the transtheoretical model: a systematic review. Health Educ Behav. 2009;36(5):829–45.

Prochaska JO, Veliger WF. The transtheoretical model of health behavior change. Am J Health Promot. 1997;12(1):38–48.

Matias TS, da Silveira Viana M, Kretzer FL, Andrade A. Autodeterminação de adolescentes em diferentes estágios de mudança para o exercício físico. Rev Educ Física UEM. 2014;25(2):211–22.

Ersöz G, Eklund RC. Behavioral regulations and dispositional ow in exercise among American college students relative to stages of change and gender. J Am Coll Health. 2017;65(2):94–102.

Vancampfort D, Moens H, Madou T, De Backer T, Vallons V, Bruyninx P, Vanheuverzwijn S, Mota CT, Soundy A, Probst M. Autonomous motivation is associated with the maintenance stage of behavior change in people with affective disorders. Psychiatry Res. 2016; 240:267–71.

Rolim, M. Auto-eficácia, estilo de vida e desempenho cognitivo de adolescentes ativos e sedentários. [Dissertação]. [Florianópolis]: Universidade do Estado de Santa Catarina; 2007.

Dumith SC, Gigante DP, Domingues MR. Stages of change for physical activity in adults from Southern Brazil: a population-based survey. Int J Behav Nutr Phys Act. 2007;4(25)1-10.

Herman KM, Hopman WM, Sabiston CM. Physical activity, screen time and self-rated health and mental health in Canadian adolescents. Prev Med. 2015; 73:112–16.

Nuviala A, Ruiz Juan F, Nuviala R. Actividad física y autopercepción de la salud en adolescentes. Pensar En Mov Rev Cienc Ejerc Salud. 2011; 8(1):34-41.

Piko BF. Self-perceived health among adolescents: the role of gender and psychosocial factors. Eur J Pediatr. 2007;166(7):701–08.

Gísladóttir TL, Matthíasdóttir A, Kristjánsdóttir H. e effect of adolescents’ sports clubs participation on self-reported mental and physical conditions and future expectations. J Sports Sci. 2013;31(10):1139–45.

Williams DM. Exercise, a ect, and adherence: an integrated model and a case for self-paced exercise. J Sport Exerc Psychol. 2008; 30(5):471–96.

Rosa C, Bicudo LFP, Vaisberg MW. Influências do exercício na resposta imune. Rev Bras Med Esporte. 2002;8(4):167–72.

Gleeson M, Bishop NC, Stensel DJ, Lindley MR, Mastana SS, Nimmo MA. e anti-inflammatory effects of exercise: mechanisms and implications for the prevention and treatment of disease. Nat Rev Immunol. 2011;11(9):607–15.

Matias TS, Rolim MKSB, Kretzer FL, Schmoelz CP, Andrade A. Corporal satisfaction associated with physical activity practice during adolescence. Mot J Phys Educ UNESP. 2010;16(2):370–78.

Hausenblas HA, Fallon EA. Exercise and body image: A meta-analysis. Psychol Health. 2006;21(1):33–47.

Campbell A, Hausenblas HA. Effects of exercise interventions on body image: A meta-analysis. J Health

Psychol. 2009;14(6):780–93.

Bandura A. e anatomy of stages of change [editorial]. Am Health Promot. 1997;12(1):8–10.

Chatzisarantis NL, Hagger MS. e moral worth of sport reconsidered: Contributions of recreational sport and competitive sport to life aspirations and psychological well-being. J Sports Sci. 2007;25(9):1047–56.

Birkeland MS, Torsheim T, Wold B. A longitudinal study of the relationship between leisure-time physical activity and depressed mood among adolescents. Psychol Sport Exerc. 2009;10(1):25–34.

Ryan RM. Self-determination theory and physical activity: the dynamics of motivation in development and wellness. Hell J Psychol. 2009;6(2):107–24.

Publicado
30-05-2018
Como Citar
1.
Matias T, Andrade A, Maciel G, Dominski F, Lopes M. O estágio de manutenção para o exercício está associado à uma melhor percepção de diferentes indicadores de saúde na adolescência. RBAFS [Internet]. 30maio2018 [citado 22jun.2018];22(5):479-85. Available from: http://www.rbafs.org.br/RBAFS/article/view/12061
Seção
Artigos Originais