Promoção da saúde: um convite à releitura de imprecisões teóricas na área de Atividade Física e Saúde

  • Alan Goularte Knuth Universidade Federal do Rio Grande, Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública, Residência Multiprofissional em Saúde da Família, Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-2030-5747
  • Inacio Crochemore Mohnsam da Silva Universidade Federal de Pelotas, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Universidade Federal de Pelotas, Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. http://orcid.org/0000-0001-5390-8360
  • Gregore Iven Mielke Universidade Federal de Pelotas, Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. The University of Queensland, Centre for Research on Exercise, Physical Activity and Health, School of Human Movement and Nutrition Sciences, St Lucia, Brisbane, Australia. http://orcid.org/0000-0002-3043-2715
Palavras-chave: Atividade motora, Sistema Único de Saúde, Comportamentos relacionados com a saúde

Resumo

A noção de “Promoção da Saúde” recebe enorme atenção por parte do núcleo profissional de Educação Física. Entretanto, ela tem sido utilizada de forma indiscriminada. O ensaio pretende visibilizar a relevância de maior demarcação conceitual em torno da Promoção da Saúde e apontar as diferenças teóricas existentes. Dois aspectos são analisados: a simbiose prevenção/promoção da saúde e a abordagem dura em direção aos indivíduos e pouco crítica aos contextos e às condições de vida. À medida que os estudos se situarem teoricamente, caminhos poderão se abrir para embates e amadurecimento teórico-prático da Promoção da Saúde com repercussões nas intervenções, na formação pro ssional e na pesquisa na área. Estranhar o que temos feito é uma premissa nem sempre simpática, contudo é justamente este desprendimento que sinalizará amadurecimento, posicionamento, e, com divergências possíveis, proporcionará densidade conceitual e evolução ao tema Promoção da Saúde na Atividade Física e Saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alan Goularte Knuth, Universidade Federal do Rio Grande, Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública, Residência Multiprofissional em Saúde da Família, Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil.

Professor adjunto na Universidade Federal do Rio Grande (FURG) atuando no curso de Educação Física (Licenciatura), Residência Multiprofissional em Saúde da Família (Coordenação) e Mestrado em Saúde Pública. Atuou como consultor do Ministério da Saúde na área de Promoção da Saúde. Possui doutorado pelo Programa de Pós-graduação em Epidemiologia (Universidade Federal de Pelotas - UFPel). Na mesma instituição formou-se professor de Educação Física em 2007. Atua como Colaborador no Programa de Pós-graduação em Educação Física da UFPel, na linha "Estudos Socioculturais do Esporte e da Saúde". Integra o GTT Atividade Física e Saúde do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (CBCE) no período 2017-2019. A atuação acadêmica concentra-se nos debates sobre promoção da saúde, SUS, corporeidade, epidemiologia da atividade física e programas comunitários de promoção da atividade física.

Referências

1. Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciênc Saúde Colet. 2000;5(1):163-77.
2. Candeias NM. Conceitos de educação e de promoção em saúde: mudanças individuais e mudanças organizacionais. Rev Saúde Pública. 1997;31(2):209-13. 

3. Ferreira MS, Castiel LD, Cardoso MH. Atividade física na perspectiva da Nova Promoção da Saúde: contradições de um programa institucional. Ciênc Saúde Colet. 2011;16(Supl. 1):865-72. 

4. Carvalho FFB, Nogueira JAB. Práticas corporais e atividades físicas na perspectiva da Promoção da Saúde na Atenção Básica. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(6):1829-38. 

5. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção da Saúde. As Cartas da Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. [citado 2018 out 12]. Disponível em: url: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ publicacoes/cartas_promocao.pdf. 

6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Política nacional de promoção da saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. [citado 2018 out 12]. Disponível em: http:// bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_promocao_ saude.pdf. 

7. Leavell S, Clark EG. Medicina Preventiva. São Paulo: McGrawHill, 1976. 

8. Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. / Eugênio Vilaça Mendes. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2012. 

9. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Avaliação de efetividade de programas de educação física no Brasil [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 182 p. 

10. Reis RR, Salvo D, Ogilvie D, Lambert EV, Goenka S, Brownson RC. Scaling up physical activity interventions worldwide: stepping up to larger and smarter approaches to get people moving. Lancet. 2016; Sep 24;388(10051):1337-48.
Publicado
07-11-2018
Seção
Ensaios Teóricos em Atividade Física e Saúde