Características das instalações e equipamentos para a prática de atividade física em escolas da zona rural de Pelotas, Rio Grande do Sul

  • Werner de Andrade Müller Programa de Pós-graduação em Educação Física, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-9326-4854
  • Gabriele Radünz Krüger Programa de Pós-graduação em Educação Física, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7092-4968
  • Marlos Rodrigues Domingues Programa de Pós-graduação em Educação Física, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Escola Superior de Educação Física. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2503-2944
Palavras-chave: Planejamento ambiental, População rural, Atividade motora, Políticas públicas de saúde, Instituições acadêmicas

Resumo

O objetivo do estudo foi descrever as instalações e equipamentos para atividade física nas escolas da zona rural de Pelotas, Rio Grande do Sul. Trata-se de um estudo transversal, de base escolar, realizado no ano de 2014, em todas as 26 escolas localizadas na zona rural da cidade de Pelotas. Foi utilizado um instrumento com questões relacionadas às políticas de Educação Física e avaliação das estruturas e materiais para a prática de atividade física, elaborado a partir do Physical Activity Resource Assessment (PARA), adaptado para o ambiente escolar. Observou-se que o professor e a disciplina de Educação Física estiveram presentes em todas as escolas. Mesmo com a maior frequência de estruturas como quadras esportivas (34,6% a 65,4%), pracinha/parquinhos (76,9%) e materiais como bolas (50,0% a 84,6%), cones (80,8%), cordas (88,5%), colchonetes (80,8%) e arcos (76,9%), as condições dos atributos foram regulares (7,7% a 46,2%) e ruins (11,5% a 50,0%). Poucas instituições ofereceram instalações e equipamentos em condições adequadas para a prática de atividade física. A ausência de ginásios, quadras cobertas e materiais em melhores condições chama a atenção para a necessidade de investimentos e intervenções nesses espaços.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Physical Activity Guidelines Advisory Committee. 2018 Physical Activity Guidelines Advisory Committee Scientific Report. Washington, DC: US Departament of Health and Human Services, ed. 2018: 779p.

Sallis JF, Bull, F, Guthold R, Heath GW, Inoue S, Kelly P, et al. Progress in physical activity over the Olympic quadrennium. Lancet. 2016;388(10051):1325-36.

Martins RC, Ricardo LIC, Mendonça G, Rosa DL, Bastos LLAG, Coll CVN et al. Temporal trends of physical activity and sedentary behavior simultaneity in brazilian students. J Phys Act Health. 2018;15(5):331-37.

Müller WA, Silva MC. Barreiras à prática de atividades físicas de adolescentes escolares da zona rural do sul do Rio Grande do Sul. Rev Bras Ati Fís Saúde. 2013;18(3):344-53.

Raphaelli CO, Azevedo MR, Hallal PC. Associação entre comportamentos de risco à saúde de pais e adolescentes em escolares de zona rural de um município do Sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2011;27:2429-40.

Bauman AE, Reis RS, Sallis JF, Wells JC, Loos RJF, Martin BW. Correlates of physical activity: why are some people physically active and others not? Lancet. 2012;380(9838):258-71.

Ferreira I, van der Horst K, Wendel-Vos W, Kremers S, van Lenthe FJ, Brug J. Environmental correlates of physical activity in youth - a review and update. Obes Rev. 2007;8(2):129-54.

Hoehner CM, Soares J, Parra Perez D, Ribeiro IC, Joshu CE, Pratt M, et al. Physical activity interventions in Latin America: a systematic review. Am J Prev Med. 2008;34(3):224-33.

Dauenhauer BD, Keating XD. The influence of physical education on physical activity levels of urban elementary students. Res Q Exer Sport. 2011;82(3):512-20.

Kremer MM, Reichert FF, Hallal PC. Intensidade e duração dos esfoços físicos em aulas de Educação Física. Rev Saúde Pública. 2012;46:320-6.

Haug E, Torsheim T, Sallis JF, Samdal O. The characteristics of the outdoor school environment associated with physical activity. Health Educ Res. 2010;25(2):248-56.

Kirby J, Levin KA, Inchley J. Associations between the school environment and adolescent girls' physical activity. Health Educ Res. 2012;27(1):101-14.

Melo EN, Barros M, Hardman C, Siqueira M, Wanderley Júnior R, Oliveira E. Associação entre o ambiente da escola de educação infantil e o nível de atividade física de crianças pré-escolares. Rev Bras Ati Fís Saúde. 2013;18(1):53-62.

Knuth AG, Hallal PC. School environment and physical activity in children and adolescents: systematic review. Rev Bras Ati Fís Saúde. 2012;17(6):548-59.

Sallis JF, Conway TL, Prochaska JJ, McKenzie TL, Marshall SJ, Brown M. The association of school environments with youth physical activity. Am J Public Health. 2001;91(4):618-20.

Morton KL, Atkin AJ, Coder k, Suhrcke M, van Sluijs EMF. The school environment and adolescent physical activity and sedentary behaviour: a mixed-studies systematic review. Obes Rev. 2015;17(2):142-58.

Tenório MCM, Tassitano RM, Lima MC. Conhecendo o ambiente escolar para as aulas de educação física: existe diferença entre as escolas? Rev Bras Ati Fís Saúde. 2012;17(4):307-13.

Knuth AG, Silva ICM, Hallal PC. Description of the school environment related to physical education classes, recess, extracurricular activities and physical spaces in the city of Pelotas, RS, Brazil. Rev Bras Ati Fís Saúde. 2015;20:524.

Brasil. Ministério da Educação. A Educação no Brasil Rural. In: Ministério da Educação/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. ed. 2006: 236p.

Knuth AG. Ambiente escolar e prática de atividade física em crianças pertencentes à Coorte de Nascimentos de Pelotas de 2004 [tese de doutorado]. Pelotas: Universidade Federal de Pelotas; 2012.

Marques MO. Ambiente escolar e atividade física em escolares de Pelotas, RS [dissertação de mestrado]. Pelotas: Universidade Federal de Pelotas; 2012.

Lee R, Booth K, Reese-Smith J, Regan G, Howard H. The Physical Activity Resource Assessment (PARA) instrument: Evaluating features, amenities and incivilities of physical activity resources in urban neighborhoods. Int J Behav Nutr Phys Act. 2005;2(1):1-9.

Silva AAP, Lopes AAS, Prado CV, Hino AFF, Reis RS. Características do ambiente físico e organizacional para a prática de atividade física nas escolas de Curitiba, Brasil. Rev Bras Ati Fís Saúde. 2018;23:10.

Brasil. Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Saúde Escolar 2015. In: Ministério da Saúde/Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/Ministério do Planejamento, ed. 2015:132p.

Brasil. Lei nº 9.394/96 de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1996

Silva MFP, Damásio MS. O ensino da Educação Física e o espaço físico em questão. Pensar Prát. 2008;11(2):6.

Fortes MO, Azevedo MR, Kremer MM. A Educação Física Escolar na cidade de Pelotas-RS: contexto das aulas e conteúdos. Rev Educ Fís. 2012;23(1):10.

Pereira FM, Silva AC. Sobre os conteúdos da Educação Física no Ensino Médio em diferentes redes educacioanis do Rio Grande do Sul. Rev Educ Fís. 2004;15(2):10.

Brasil. Ministério da Educação. Módulo 12: higiene, segurança e educação. In: Ministério da Educação/ Secretaria de Educação Básica, ed 2008: 75p.

de Villiers A, Steyn NP, Draper CE, Fourie JM, Barkhuizen G, Lombard CJ, et al. "HealthKick": formative assessment of the health environment in low-resource primary schools in the Western Cape Province of South Africa. BMC Public Health (online). 2012;12:1-11.

Publicado
08-10-2019
Seção
Artigos Originais