Percepção de regras e de confiança em reduzir o tempo de tela em adolescentes

  • Roseanne Autran Centro de Investigação em Atividade Física
  • Cassiano Rech Universidade Federal de Santa Catarina
  • Jorge Mota Centro de Investigação em Atividade Física, Saúde e Lazer da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto
  • Maria Santos Centro de Investigação em Atividade Física, Saúde e Lazer da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto
Palavras-chave: Estilo de vida sedentário, Adolescentes, Percepção, Associação

Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar a associação entre o tempo de tela com a percepção de regras e a confiança em reduzir o tempo de tela em adolescentes. Participaram 358 adolescentes (58,2% meninas), entre 14 e 18 anos, da cidade do Porto - Portugal. A percepção de regras e a confiança em reduzir o tempo de tela foram avaliadas por medidas autorreportadas através de instrumentos validados para esta população. Os adolescentes que percebem alguma regra por parte dos pais apresentam menor prevalência de exposição ao tempo de tela (³ 2 horas/dia) para uso da internet (RP=0,62; IC95%: 0,28-0,99). A moderada (RP=0,60; IC95%: 0,34-0,99) ou elevada (RP=0,51; IC95%: 0,27-0,96) confiança na capacidade de reduzir o tempo de tela foi associado de forma inversa com a prevalência de não cumprir as recomendações do tempo de tela para assistir TV e usar vídeo game/computador. A percepção de regras e moderada ou elevada confiança na capacidade de reduzir o tempo de tela foram associados com menor proporção de adolescentes expostos a atividades sedentárias, tais como assistir TV e usar internet por ³ 2 horas/dia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roseanne Autran, Centro de Investigação em Atividade Física

Possui Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade Federal do Amazonas e Mestrado pela Universidade do Porto.

Atualmente cursando o Doutorado em Atividade Física e Saúde pelo Centro de Investigação em Atividade Física e Saúde na Faculdade de Desporto da Universidade do Porto.

Cassiano Rech, Universidade Federal de Santa Catarina
Professor da Universidade Federal de Santa Catarina
Jorge Mota, Centro de Investigação em Atividade Física, Saúde e Lazer da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto
Professor Catedrático da Faqculdade de Desporto da Universidade do Porto
Maria Santos, Centro de Investigação em Atividade Física, Saúde e Lazer da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto
Professora Auxiliar da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto
Publicado
15-12-2014
Seção
Artigos Originais