Dor crônica e nível de atividade física em usuários das unidades básicas de saúde

  • Daniele Fernandes da Silva de Souza Escola Superior de Educação Física da Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Grupo de Estudos em Epidemiologia da Atividade Física da Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5752-0486
  • Vítor Häfele Escola Superior de Educação Física da Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Grupo de Estudos em Epidemiologia da Atividade Física da Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil https://orcid.org/0000-0001-6812-2002
  • Fernando Vinholes Siqueira Escola Superior de Educação Física da Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Grupo de Estudos em Epidemiologia da Atividade Física da Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil
Palavras-chave: Dor crônica, Atividade motora, Unidades básicas de saúde

Resumo

O objetivo do estudo foi descrever a prevalência de dor crônica dos usuários das unidades básicas de saúde da zona urbana da cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, e verificar o nível de atividade física e os fatores associados à dor crônica. Foi realizado um estudo transversal com amostra de 540 adultos com 18 anos ou mais, usuários de 36 unidades básicas de saúde. Considerou-se dor crônica aos que relataram o tempo referido de algum tipo dor de três meses ou mais.  Foram estimadas razões de prevalência ajustada por meio da regressão de Poisson, com variância robusta. A prevalência de dor crônica entre os usuários foi de 41,5% (IC95%: 37,4 – 45,7). Na análise ajustada, as mulheres tiveram 50% maior probabilidade ao desfecho em relação aos homens; indivíduos de 40-59 anos e 60-90 anos, tiveram maior probabilidade de 44% e 61%, respectivamente, do que os de 18-39 anos; aqueles que perceberam sua saúde negativamente, tiveram 5,4 vezes mais probabilidade ao desfecho; utilizar três ou mais medicamentos aumentou 43% a probabilidade ao desfecho e; sujeitos que praticavam atividade física de lazer tiveram menor probabilidade de apresentar dor crônica. Conclui-se que, a prevalência de dor crônica em usuários de unidades básicas de saúde foi elevada (41,5%), sendo que a atividade física de lazer foi fator de proteção para o surgimento de dor crônica. Contudo, para o tratamento da dor crônica nas unidades básicas de saúde, a prática de atividade física torna-se de fundamental importância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica [Internet]. Série E Legislação em Saúde. 2012. 114 p. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf.

Assadeck H, Daouda MT, Djibo FH, Maiga DD, Omar EA. Prevalence and characteristics of chronic pain: Experience of Niger. Scand J Pain. 2017;17(1):252-55.

Jackson T, Thomas S, Stabile V, Shotwell M, Han X, McQueen K. A systematic review and meta-analysis of the global burden of chronic pain without clear etiology in low- and middle-income countries: trends in heterogeneous data and a proposal for new assessment methods. Anesth Analg. 2016;123(3):739-48.

Cipriano A, Almeida DB, Vall J. Perfil do paciente com dor crônica atendido em um ambulatório de dor de uma grande cidade do sul do Brasil. Rev Dor. 2011;12 (4):297- 300.

Teixeira MJ. Master dor. 1ª ed. São Paulo: Limay, 1994.

Breivik H, Collett B, Ventafridda V, Cohen R, Gallacher D. Survey of chronic pain in Europe: Prevalence, impact on daily life, and treatment. Eur J Pain. 2006;10:287-33.

Sociedade Brasileira para Estudo da Dor. Brasil sem dor [Internet]. Campanha nacional pelo tratamento e controle da dor aguda e crônica. 2018. 11 p. Disponível em: https://sbed.org.br/wp-content/uploads/2019/01/CAMPANHA-NACIONAL-PELO-TRATAMENTO-E-CONTROLE-DA-DOR-AGUDA-E-CR%C3%94NICA-3-MB.pdf.

Holth HS, Werpen HKB, Zwart J-A, Hagen K. Physical inactivity is associated with chronic musculoskeletal complaints 11 years later: results from the Nord-Trøndelag Health Study. BMC Musculoskelet Disord. 2008;9:159.

Paley CA, Johnson MI. Physical activity to reduce systemic inflammation associated with chronic pain and obesity a narrative review. Clin J Pain. 2016;32(4):365-70.

Ministério da Saúde. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio à Saúde da Família [Internet]. Cadernos de Atenção Básica. 2010. 152 p. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad27.pdf.

Souza SC, Loch MR. Intervenção do profissional de educação física nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família em municípios do norte do Paraná. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2011;16(1):5-10.

Vieira A, Bartz PT, Jornada MC. Repercussão do grupo da coluna sobre o cotidiano de mulheres que apresentam dores. Cad Bras Ter Ocup. 2017;25(2):305-14.

World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health [Internet]. 2010. 60 p. Disponível em: https://www.who.int/dietphysicalactivity/global-PA-recs-2010.pdf.

Harstall C, Ospina M. How prevalent is chronic pain? Pain. 2003;11(2):1-4.

Wong D, Baker C. Pain in Children: Comparison of Assessment Scales. Pediatr Nursing. 1988;14(1):9-17.

Figueiredo ECQ, Figueiredo GC, Dantas RT. Influência de elementos meteorológicos na dor de pacientes com osteoartrite: revisão da literatura. Rev Bras Reumatol. 2011;51(6):616-28.

Ruviaro LF, Filippin LI. Prevalência de dor crônica em uma Unidade Básica de Saúde de cidade de médio porte. Rev Dor. 2012;13(2):128-31.

Sá KN, Baptista AF, Matos MA, Lessa Í. Chronic pain and gender in Salvador population, Brazil. Pain. 2008;139:498-506.

Vieira ÉBM, Garcia JBS, Silva AAM, Araújo RLTM, Jansen RCS. Prevalence, characteristics, and factors associated with chronic pain with and without neuropathic characteristics in São Luís, Brazil. J Pain Symptom Manage. 2012;44(2):239-51.

Moulin DE, Clark AJ, Speechley M, Morley-Forster PK. Chronic pain in Canada - Prevalence, treatment, impact and the role of opioid analgesia. Pain Res Manag. 2002;7(4):179-84.

Johannes CB, Le TK, Zhou X, Johnston JA, Dworkin RH. The Prevalence of chronic pain in United States adults: results of an internet-based survey. J Pain. 2010;11(11):1230-9.

Hospital Erasto Gaertner. Serviço de Tratamento da Dor. Setor de Farmácia Cartilha de Orientação dos Medicamentos para Dor [Internet].2008. 14 p. Disponível em: http://www.dol.inf.br/Html/CartilhaErastoGaertner/CartilhaErastoGaertner.pdf.

Ministério da Saúde. Glossário temático: Práticas integrativas e complementares em saúde [Internet]. 2018. 181 p. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/marco/12/glossario-tematico.pdf.

Souza JB. Poderia a atividade física induzir analgesia em pacientes com dor crônica? Rev Bras Med Esp. 2009;15(2):145-50.

Jakobsson U. The epidemiology of chronic pain in a general population: Results of a survey in southern Sweden. Scand J Rheumatol. 2010;39:421-9.

Tanaka C. Pacientes portadores de fibromialgia: efeito sobre mobilidade, dor e sono. Rev Fisio. 1994;1(1):16-20.

Manson JE. Pain: Sex differences and implications for treatment. Metab Clinand Exprim. 2010;59(1):16-20.

Sjøgren P, Ekholm O, Peuckmann V, Grønbæk M. Epidemiology of chronic pain in Denmark: An update. Eur J Pain. 2009;13:287-92.

Medeiros SM, Silva LSR, Carneiro JA, Ramos GCF, Barbosa ATF, Caldeira AP. Fatores associados à autopercepção negativa da saúde entre idosos não institucionalizados de Montes Claros, Brasil. Cien Saude Colet. 2016;21(11):3377-86.

Vancampfort D, Koyanagi A, Ward PB, Rosenbaum S, Schuch FB, Mugisha J, et al. Chronic physical conditions, multimorbidity and physical activity across 46 low- and middle-income countries. Int J Behav Nutr Phys Act. 2017;14(6):1-13.

Publicado
10-12-2019
Como Citar
1.
Souza DF da S de, Häfele V, Siqueira FV. Dor crônica e nível de atividade física em usuários das unidades básicas de saúde. Rev Bras Ativ Fís Saúde [Internet]. 10º de dezembro de 2019 [citado 14º de agosto de 2020];240:1-10. Disponível em: https://www.rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14014
Seção
Artigos Originais