Isolamento social: consequências físicas e mentais da inatividade física em crianças e adolescentes

Autores

  • Públio Gomes Florêncio Júnior Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Educação Física, Recife, Pernambuco, Brasil. Centro Universitário Mauricio de Nassau, Centro de Saúde, Departamento de Educação Física, Recife, Pernambuco, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-8097-008X
  • Ronê Paiano Universidade Presbiteriana Mackenzie, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Educação Física, São Paulo, São Paulo, Brasil. Faculdade das Américas, Departamento de Educação Física, São Paulo, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9789-9520
  • André dos Santos Costa Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Educação Física, Recife, Pernambuco, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5301-2572

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.25e0115

Palavras-chave:

Criança, Comportamento sedentário, Saúde mental, Quarentena

Resumo

Este documento de opinião apresenta as possíveis consequências para saúde física e mental de crianças e adolescentes, que fcarão longos períodos em quarenta por conta da pandemia do COVID-19. A quarentena é uma estratégia necessária e implementada por vários governos em diversos países, no entanto, o isolamento social pode diminuir de forma profunda os níveis de atividade física e aumentar os níveis de comportamento sedentário em jovens que estão sem aulas presenciais neste momento. Tudo isso aumenta o risco de ganho de peso, obesidade, ansiedade, depressão e até modifcações na estrutura cerebral dessa população. Acreditamos que este documento indica possibilidades de aumentar os níveis de atividade física em crianças e adolescentes neste período de isolamento social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lourenço CLM, de Souza TF, Mendes EL. Relationship between smartphone use and sedentary behavior: a school-based study with adolescents. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2019;24:e0078.

Zink J, Belcher BR, Imm K, Leventhal AM. The relationship between screen-based sedentary behaviors and symptoms of depression and anxiety in youth: a systematic review of moderating variables. BMC Public Health. 2020;20:472.

Zavala-Crichton JP, Esteban-Cornejo I, Solis-Urra P, Mora-Gonzalez J, Cadenas-Sanchez C, Rodriguez-Ayllon M, et al. Association of sedentary behavior with brain structure and intelligence in children with overweight or obesity: The Active Brains project. J Clin Med. 2020;9(4):1101.

Merege Filho CAA, Alves CRR, Sepúlveda CA, Costa AS, Lancha Junior AH, Gualano B. Influência do exercício físico na cognição: Uma atualização sobre mecanismos fisiológicos. Rev Bras Med Esporte. 2014;20(3):237-41.

Andrade A, Correia CK, Coimbra DR. The psychological effects of exergames for children and adolescents with obesity: a systematic review and meta-analysis. Cyberpsychology Behav Soc Netw. 2019;22(11):724-35.

Downloads

Publicado

2020-09-14

Como Citar

1.
Florêncio Júnior PG, Paiano R, Costa A dos S. Isolamento social: consequências físicas e mentais da inatividade física em crianças e adolescentes. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 14º de setembro de 2020 [citado 8º de dezembro de 2021];25:1-2. Disponível em: https://www.rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14263

Edição

Seção

Ensaios Teóricos em Atividade Física e Saúde