Intervenção com profissionais de saúde sobre aconselhamento à atividade física na atenção primária

Autores

  • Vítor Häfele Universidade Federal de Pelotas, Departamento de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Fernando Vinholes Siqueira Universidade Federal de Pelotas, Departamento de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.26e0234

Palavras-chave:

Aconselhamento, Atividade motora, Centros de saúde, Pessoal de saúde, Educação em saúde

Resumo

O estudo teve como objetivo avaliar o efeito de uma intervenção focada no aumento do aconselhamento dos profissionais de saúde sobre atividade física para os usuários de Unidades Básicas de Saúde (UBS) da cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul. Trata-se de um ensaio comunitário randomizado, com 17 UBS participando do grupo intervenção (GI), onde os profissionais de saúde foram submetidos a uma intervenção com duas palestras de 50 minutos cada e recebimento de folders sobre o tema. Fizeram parte do grupo controle (GC) outras 17 UBS. Foi determinada a prevalência de aconselhamento à atividade física (realizado por profissional de saúde dentro da UBS e por agente comunitário de saúde no domicílio) através de entrevistas com 30 usuários de cada UBS, totalizando 510 entrevistados em cada grupo. Foram calculadas as proporções e intervalos de confiança de 95% (IC95%) de todas as variáveis, sendo utilizado o teste Exato de Fisher. As UBS do GI contavam com 259 profissionais de saúde no momento da intervenção, dos quais 218 participaram de, no mínimo, um encontro. Não foram observadas diferenças nas prevalências de aconselhamento para a prática de atividade física, tanto realizado por profissionais de saúde nas UBS (linha de base: 35,8%, IC95% 31,8 – 40,1; Pós-intervenção - GI: 39,4%, IC95% 35,2 – 43,7; GC: 38,0%, IC95% 33,9 – 42,3), quanto o aconselhamento feito pelos agentes comunitários de saúde nos domicílios (Pós-intervenção - GI: 29,1%, IC95% 23,5 – 35,5; GC: 24,9%, IC95% 19,4 – 31,3). Conclui-se que a intervenção não foi efetiva para modificar a prevalência de aconselhamento à atividade física nas UBS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health. Geneva: WHO. 2010. Disponível em: <https://www.who.int/dietphysicalactivity/publications/9789241599979/en/> [2020 outubro].

Reis RS, Salvo D, Ogilvie D, Lambert E, Goenka S, Brownson R. Scaling up physical activity interventions worldwide: stepping up to larger and smarter approaches to get people moving. Lancet. 2016;388(10051):1337–48.

Heath GW, Parra DC, Sarmiento OL, Andersen LB, Owen N, Goenka S, et al. Evidence-based intervention in physical activity: lessons from around the world. Lancet. 2012;380(9838):272-81.

Leijon M, Stark-Ekman D, Nilsen P, Ekberg K, Walter L, Stahle A, et al. Is there a demand for physical activity interventions provided by the health care sector? Findings from a population survey. BMC Public Health. 2010;10(34):1–8.

Paim J, Travassos C, Almeida C, Bahia L, Macinko J. The Brazilian health system: history, advances, and challenges. Lancet. 2011;377(9779):1778–97.

Siqueira FV, Nahas MV, Facchini LA, Silveira DS, Piccini RX, Tomasi E, et al. Aconselhamento para a prática de atividade física como estratégia de educação à saúde. Cad Saude Publica. 2009;25(1):203–13.

Orrow G, Kinmonth A-L, Sanderson S, Sutton S. Effectiveness of physical activity promotion based in primary care: systematic review and meta-analysis of randomised controlled trials. BMJ. 2012;344(e1389):1–17.

Berra K, Rippe J, Manson J. Making Physical Activity Counseling a Priority in Clinical Practice: The Time for Action is Now. JAMA. 2015;314(24):2617–8.

Häfele V, Siqueira FV. Aconselhamento para atividade física e mudança de comportamento em Unidades Básicas de Saúde. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(6):581–92.

National Institute for Health and Care Excellence. Physical activity: brief advice for adults in primary care. NICE Guidelines. 2013. Disponível em: <https://www.nice.org.uk/guidance/ph44> [2020 outubro].

Moraes SQ, Souza JH, Araújo PAB, Rech CR. Prevalência de aconselhamento para atividade física na Atenção Básica à Saúde: uma revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2019;24:e0073.

Hébert E, Caughy M, Shuval K. Primary care providers’ perceptions of physical activity counselling in a clinical setting: a systematic review. Br J Sports Med. 2012;46(9):625–31.

Florindo AA, Mielke GI, Gomes GAO, Ramos LR, Bracco MM, Parra D, et al. Physical activity counseling in primary health care in Brazil: a national study on prevalence and associated factors. BMC Public Health. 2013;13(794):1–10.

Mendonça RD, Toledo MTT, Lopes ACS. Incentivo à prática de aconselhamento sobre modos saudáveis de vida na Atenção Primária à Saúde. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. 2015;19(1):140–6.

Borges TT, Barros FC, Mielke GI, Parra D, Siqueira FV, Hallal PC. Conhecimento de profissionais que atuam em Unidades Básicas de Saúde no Brasil sobre a associação entre inatividade física e morbidades. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2017;22(5):450–6.

Häfele V, Siqueira FV. Interveções com profissionais de saúde da atenção primária sobre aconselhamento à atividade física: revisão sistemática. J. Phys. Educ. 2019;30(e3021):1–10.

Florindo AA, Guimarães VV, Andrade DR. Capacitação de médicos e enfermeiros para promoverem atividade física no Sistema Único de Saúde pela Estratégia de Saúde da Família. In: Florindo AA, Andrade DR. Experiências de promoção da atividade física na estratégia de saúde da família. 1a ed. Sociedade Brasileira de Atividade Física e Saúde; 2015. p. 79-90.

Malta MB, Carvalhaes MABL, Takito MY, Tonete VLP, Barros A, Parada CMGL, et al. Educational intervention regarding diet and physical activity for pregnant women: changes in knowledge and practices among health professionals. BMC Pregnancy Childbirth. 2016;16(175):1–9.

Santos RP, Horta PM, Souza CS, Santos CA, Oliveira BS, Almeida LMR, et al. Aconselhamento sobre alimentação e atividade física: prática e adesão de usuários da atenção primária. Rev. Gaúch. Enferm. 2012;33(4):14–21.

Bell C, Campbell E, Francis L, Wiggers J. Encouraging general practitioners to complete the four-year-old Healthy Kids Check and provide healthy eating and physical activity messages. Aust N Z J Public Health. 2014;38(3):253–7.

Eakin E, Brown W, Marshall A, Mummery K, Larsen E. Physical activity promotion in primary care: Bridging the gap between research and practice. Am J Prev Med. 2004;27(4):297–303.

Cunha EM, Giovanella L. Longitudinalidade/continuidade do cuidado: Identificando dimensões e variáveis para a avaliação da atenção primária no contexto do sistema público de saúde Brasileiro. Cien Saude Colet. 2011;16(Suppl. 1):1029–42.

Dourado AA, Hallal PRC, Domingues MR, Siqueira FV. Teaching of health-related physical activity in medical schools: the Brazilian scenario. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2019;24:1–6.

Viacava F, Oliveira RAD, Carvalho CC, Laguardia J, Bellido JG. SUS : oferta , acesso e utilização de serviços de saúde nos últimos 30 anos. Cien Saude Colet. 2018;23(6):1751–62.

Ferreira RC, Fiorini VML, Crivelaro E. Formação Profissional no SUS: o Papel da Atenção Básica em Saúde na Perspectiva Docente. Rev Bras Educ Méd. 2010;34(2):207–15.

Costa EF, Andrade DR, Garcia LMT, Ribeiro EHC, Santos TI, Florindo AA. Avaliação da efetividade da promoção da atividade física por agentes comunitários de saúde em visitas domiciliares. Cad Saude Publica. 2015;31(10):2185–98.

Santos DS, Mishima SM, Merhy EE. Processo de trabalho na Estratégia de Saúde da Família: potencialidades da subjetividade do cuidado para reconfiguração do modelo de atenção. Cien Saude Colet. 2018;23(3):861–70.

Costa EF, Andrade DR, Santos TI, Florindo AA. Educação permanente de Agentes Comunitários de Saúde para promoção da atividade física. In: Florindo AA, Andrade DR. Experiências de promoção da atividade física na estratégia de saúde da família. 1a ed. Sociedade Brasileira de Atividade Física e Saúde; 2015. p. 51-78.

Marzari CK, Junges JR, Selli L. Agentes comunitários de saúde: Perfil eformação. Cien Saude Colet. 2011;16(Suppl. 1):873–80.

Becker LA, Gonçalves PB, Reis RS. Programas de promoção da atividade física no Sistema Único de Saúde brasileiro: revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(2):110–22.

Downloads

Publicado

2021-11-25

Como Citar

1.
Häfele V, Siqueira FV. Intervenção com profissionais de saúde sobre aconselhamento à atividade física na atenção primária. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 25º de novembro de 2021 [citado 19º de janeiro de 2022];26:1-12. Disponível em: https://www.rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14487

Edição

Seção

Artigos Originais