Desigualdades na prática esportiva e de atividade física nas macrorregiões do Brasil: PNAD, 2015

Autores

  • Vivian Hernandez Botelho Universidade Federal de Pelotas, Escola Superior de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-9523-2565
  • Andrea Wendt Universidade Federal de Pelotas, Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4640-2254
  • Eraldo dos Santos Pinheiro Universidade Federal de Pelotas, Escola Superior de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Universidade Federal de Pelotas, Departamento de Desportos, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-5749-1512
  • Inácio Crochemore-Silva Universidade Federal de Pelotas, Escola Superior de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Universidade Federal de Pelotas, Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Universidade Federal de Pelotas, Departamento de Desportos, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5390-8360

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.26e0206

Palavras-chave:

Atividade motora, Saúde pública, Estudos transversais, Adulto

Resumo

Estudos sobre desigualdades na prática de esporte e atividades físicas são uma importante ferramenta para embasar políticas públicas. Assim como abordagens de nível nacional, análises específicas de acordo com regiões se fazem necessárias. O objetivo deste estudo foi verificar as desigualdades em termos de sexo, cor da pele, área de residência e escolaridade na prática de esporte ou atividades físicas de acordo com as regiões do Brasil. Foram analisados os dados da investigação suplementar da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2015, uma amostra representativa da população de adultos brasileiros. As análises contemplaram a prática de esporte e atividades físicas durante o ano anterior à entrevista e análises simples e complexas de desigualdade foram realizadas de acordo com cada região do país. Homens, pessoas de cor de pele branca, moradores da zona urbana e com maior escolaridade apresentaram maior prática em todas as regiões. Em termos de magnitude das desigualdades, as regiões que apresentaram maiores desigualdades foram a norte (prática entre homens 12,9 pontos percentuais – p.p., maior que entre mulheres) e a sul (41,1 p.p. de diferença entre os grupos extremos de escolaridade e 13,4 p.p. entre zona urbana e rural). Pessoas de cor da pele branca apresentaram 4,9 p.p. a mais de prevalência em relação às pretas ou pardas, sem diferenças marcantes entre as regiões. Os resultados identificaram a presença de desigualdades sistematicamente na direção de grupos privilegiados social e economicamente em nossa sociedade em todas as regiões do país, embora magnitudes diferentes sejam observadas regionalmente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Booth FW, Roberts CK, Laye MJ. Lack of exercise is a major cause of chronic diseases. Compr Physiol. 2012;2(2):1143–1211.
2. Lee IM, Shiroma EJ, Lobelo F, Puska P, Blair SN, Katzmarzyk PT, et al. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. The Lancet. 2012;380(9838):219-229.
3. Lima MG, Malta DC, Monteiro CN, Souza NFS, Stopa SR, Medina LPB, et al. Correction: Leisure-time physical activity and sports in the Brazilian population: A social disparity analysis. Plos One. 2020;15(1): e0228095.
4. BRASIL. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2019: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2019. Brasília: Ministério da Saúde; 2020. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2019_vigilancia_fatores_risco.pdf> [2020 Outubro].
5. Molanorouzi, K, Khoo S, Morris T. Motives for adult participation in physical activity: type of activity, age, and gender. BMC Public Health. 2015;15(1): 66.
6. Pontes SS, Silva AM, Santos LMS, Sousa BVN, Oliveira EF. Práticas de atividade física e esporte no Brasil. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. 2019;32.
7. Mielke GI, Malta DC, Sá GBAR, Reis RS, Hallal PC. Diferenças regionais e fatores associados à prática de atividade física no lazer no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde-2013. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2015;18:158-169.
8. Wendt A, Carvalho WRG, Silva ICM, Mielke GI. Preferências de atividade física em adultos brasileiros: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. 2019;24:1-9.
9. IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD. Rio de Janeiro: IBGE; 2017. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9127-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios.html?=&t=o-que-e> [2020 Junho].
10. Santos JAF. Classe social, território e desigualdade de saúde no Brasil. Saúde e Sociedade. 2018;27:556-572.
11. Sousa JL, Alencar GP, Antunes JLF, Silva ZP. Marcadores de desigualdade na autoavaliação da saúde de adultos no Brasil, segundo o sexo. Cadernos de Saúde Pública. 2020;36:e00230318.
12. Henriques AS, Rosa LCS. As expressões das desigualdades de gênero na saúde/Expressions of gender inequalities in health. Brazilian Journal of Development. 2020;6(3):11959-11969.
13. BRASIL. Lei nº 8080, de 19 de setembro de 1990. Brasília: Presidência da República; 1990. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm> [2020 Outubro].
14. Vigitel Brasil 2018: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2018. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde; 2019. Disponível em: < https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/julho/25/vigitel-brasil-2018.pdf> [2020 Novembro].
15. Silva ICM, Knuth AG, Mielke GI, Lock MR. Promoção de atividade física e as políticas públicas no combate às desigualdades: reflexões a partir da Lei dos Cuidados Inversos e Hipótese da Equidade Inversa. Cadernos de Saúde Pública. 2020;36:e00155119.

Downloads

Publicado

2021-06-29

Como Citar

1.
Botelho VH, Wendt A, Pinheiro E dos S, Crochemore-Silva I. Desigualdades na prática esportiva e de atividade física nas macrorregiões do Brasil: PNAD, 2015. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 29º de junho de 2021 [citado 16º de maio de 2022];26. Disponível em: https://www.rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14531

Edição

Seção

Artigos Originais